Monday, November 04, 2013

Amor, Relacionamento, Namoro com Eliete de Medeiros

Serviços movem o Brasil e dão origem a profissões inusitadas

O setor que mais cresce na economia também é responsável por criar oportunidades de trabalho pouco comuns; em alguns casos, o 'bico' se transforma em principal fonte de renda

Jéssica Otoboni
A empresária Eliete Medeiros
A psicóloga Eliete Medeiros, que busca parceiras para executivos (Jéssica Mangaba)
O setor de serviços é o grande motor da economia brasileira. Ele não só é responsável por quase 70% de toda a riqueza gerada pelo país, mas também ajuda a fortalecer um fenômeno curioso no mercado de trabalho: a segmentação. Mas, diferente do caminho tradicional das últimas décadas, em que uma especialização transformava um advogado em tributarista, ou um médico em pediatra, a nova onda de oportunidades surge para os profissionais que criam formas de atender à demanda de uma classe média com renda em ascensão e sem tempo para tarefas corriqueiras.
Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 11 milhões de brasileiros trabalham com prestação de serviços. Para o economista Fernando de Hollanda Barbosa, da Fundação Getulio Vargas (FGV), a tendência é que o setor caminhe, nas próximas décadas, para a absorção de quase a totalidade da força de trabalho do país, sobretudo num contexto econômico em que a indústria avança pouco e o setor agrícola emprega menos, devido à revolução tecnológica que ocorre no agronegócio. “É o movimento natural da economia brasileira. Com o aumento da renda da população, a demanda por serviços muito específicos cresce. Aconteceu nos Estados Unidos há muito tempo e, em menor nível, na Europa. Agora é a nossa vez", afirma Barbosa. 
Trabalhos inusitados como passear com cachorros e organizar armários eram impensáveis duas década atrás. Hoje, se tornaram triviais nas metrópoles. O empreendedor paulista Estevan Garcia não pensava em "criar" uma profissão diferente quando começou a acompanhar reformas de casas de amigos que não tinham tempo para a tarefa. Em 2010, estava desempregado e acabou ajudando um conhecido "superocupado" a cuidar da reforma de seu apartamento em São Paulo. "Num primeiro momento, não me dei conta. Mas, depois, vi que outras pessoas poderiam precisar disso", afirma. Garcia passou a prestar serviços para amigos de amigos e sua rede de contatos cresceu, dando origem à FazerSP. Ele cuida de obras de donos "sem tempo", passando relatórios diários dos gastos — até mesmo via Whatsapp. Hoje, presta serviço inclusive para arquitetos que não podem passar diariamente nas obras dos próprios projetos.
As recentes discussões sobre a nova lei das domésticas evidenciam a rapidez da diversificação do setor. Com a lei mais austera para os patrões, empreendedores rapidamente criaram empresas de terceirização de faxinas para os que não querem correr o risco de criar vínculo empregatício com funcionárias diaristas. Empresas como Mr. Limp e Mary Help surgiram nos últimos quatro anos e já têm 120 e 48 franquias, respectivamente. O site de VEJA conversou com cinco profissionais, além de Garcia, que encontraram formas de diversificar suas carreiras para campos, digamos, mais criativos. Confira suas histórias.

Carreiras inusitadas que deram certo

3 de 6

A 'heart hunter'

Os sites de relacionamentos são uma alternativa consolidada na internet para quem quer começar um namoro. Mas, há três anos, a psicóloga paulistana Eliete Amélia de Medeiros percebeu que poderia criar um método personalizado para ajudar quem tem dinheiro a encontrar a cara-metade. Ela atende apenas homens acima de 45 anos, empresários ou executivos. Primeiro, faz um levantamento detalhado do perfil do cliente e parte para a procura de uma pessoa de perfil similar, sobretudo nos quesitos 'formação' e carreira. Eliete marca entrevistas com as possíveis candidatas (acredite, elas comparecem), e seleciona as que possuem coisas em comum com o cliente. A própria 'heart hunter', como ela mesma se intitula, marca os encontros. No início, o trabalho era complicado, pois tinha de abordar pessoas que ainda não a conheciam. Mas seu poder de persuasão sempre vencia o receio das candidatas. "Elas, no fundo, gostam de ser escolhidas", diz. Eliete afirma não ter um levantamento de quantos casamentos já promoveu, mas garante que foram 'dezenas'. "Não sei estimar o número porque quando o namoro engata, eu saio de cena e poucas pessoas entram em contato novamente", conta. O tempo do trabalho de seleção varia muito conforme o perfil do cliente. Por isso, Eliete cobra caro: 14 mil reais pelo pacote que inclui seus serviços por um ano. Segundo ela, há 2.700 clientes no banco de dados da agência e até mesmo uma pequena fila de espera.
Contato de Eliete de Medeiros-
 www.eclipselove.com.br
telefone- 11.28940201

No comments: